Depois de ficar dois anos em Bittlis, foi a Van a convite do prefeito de Hasan Paşa.

 

Ficou um longo tempo em sua resisdênia e depois também com o prefeito İşkodralı Tahir Paşa. Lá ele estudou todas as ciências positivas. Em pouco tempo ele construiu um sólido conhecimento em história, geografia, matemática, eologia, física, química, astronomia e filosofia.

 

Um dia estava a conversar com um professor de geografia sobre um assunto dessa mesma área. A conversa se prolonga, o tempo passa. Por isso deixam a conversa para o dia seguinte. Molla Said decorou um livro de geografia dentro de vinte e quatro horas. No dia seguinte, na residência do prefeito, ele calou o professor de geografia.

 

Do mesmo modo, a fim de debater com um professor de química, aprendeu química orgânica em cinco dias e novamente ganhou o debate.

 

O jovem Said era capaz de aprender matemática com uma velocidade incrível. Resolvia qualquer questão complexa apenas de cabeça. Naquela época escreveu uma obra sobre matemática. Molla Said desde muito cedo mostrou uma impressionante inteligência e habilidade, ele deixava todo mundo perplexo. Este foi o motivo pelo qual Molla Fethullah Efendi deu o nome de Bediüzzaman a Molla Said, que estava no caminho do conhecimento.

 

O significado de “Bediüzzaman” nos dias de hoje é, “a beleza da era”. Sem dúvida que este apelido de “Bediüzzaman” no se dirigia a sua pessoa, mas sim às ideas que ele personificava. Em 31 de março de 1909, ao ser perguntado sobre esta palavra, Bediüzzaman explicou da seguinte forma, eis aqui o momento de esclarecer:

 

“Às vezes você assina como Bediüzzaman. Este apelido implica em elogio?

 

“Não é elogio. Apresento os meus defeitos como prova. Além do mais “Bedi” significa estranho. Meu caráter é diferente de minha aparência, meu estilo é estranhos como as minhas roupas. Tradição e valores são julgamentos e modos de ser, meu estilo, a medida de meus julgamentos e os critérios de formação da reputação é que me fizeram receber este apelido. Além da minha vontade, “bedi” também significa “impressionante”.

 

Ainda sobre o nome “Bediüzzaman”, nos anos em que se encontrou em Kastamonu, disse “escrevi como uma forma de gratidão pelas benções”, na obra denominada “Sekizinci Şua” (Oitado Raio):

 

“Há muito tempo me deram o apelido de “Bediüzzaman”, apesar de eu não ter esse mérito, quem me chamava assim não era eu. Talvez fosse um nome para o espírito do Risale-i Nur. Aparentemente um prêmio para a minha tradução e pela minha responsabilidade para com ele.